Probióticos e o Sistema Imunitário – Como podem ajudar?

Escrito por Ioannis Nikitidis
Revisado por Lamia A Kader, MD
Imagem destaque - Qual é a melhor fonte de probióticos para crianças

A pandemia do coronavírus levou a um drástico aumento de vendas e interesse em suplementos que fortalecem o sistema imunitário, vitaminas, e probióticos. As pessoas procuram algo que possa fortalecer o seu sistema imunitário na esperança que este seja forte e saudável o suficiente para combater o vírus. Mas será que os probióticos realmente ajudam o nosso sistema imunitário?

Probióticos e o Sistema Imunitário

Ao tentarmos proteger-nos do coronavírus (ou qualquer outro vírus), além das medidas preventivas individuais para evitar a exposição, é também importante fortalecer o sistema imunitário. Isto é o que os probióticos podem fazer por nós de várias formas.

O que são os probióticos?

Já sabemos que os probióticos existem nos alimentos que consumimos e melhoram a saúde intestinal, mas o que fazem exatamente?

Os probióticos são microorganismos conhecidos pelos seus benefícios para a saúde no seu hospedeiro (ou seja, nós). Consumir regularmente alimentos ricos em probióticos pode ajudar a manter um equilíbrio positivo na microbioma (1). Os probióticos têm demonstrado fortalecer a imunidade natural e ajustam a inflamação causada por patogénicos (2).

Além disso, existe um estudo que reportou o papel benéfico dos probióticos contra infeções virais. De acordo com um estudo de 2011, o consumo de probióticos reduz o risco de adoecer com as constipações comuns. (3). De destacar a suplementação de probióticos durante 12 semanas que resultou num risco reduzido de episódios de constipação, o número de dias com sintomas, a frequência e severidade dos sintomas, e a resposta imune em constipações comuns.

Como é que podem os probióticos fortalecer o nosso sistema imunitário?

A conexão entre o consumo de probióticos e o sistema imunitário foi salientada numa revisão de 2019. O estudo concluiu que a bactéria probiótica fortalece o nosso sistema imunitário através da ativação de diversos mecanismos de imunidade tanto na flora intestinal como noutras partes do corpo (4).

Foram reportadas conclusões semelhantes noutra revisão dessa investigação sobre o impacto dos probióticos na regulação da saúde imunitária em humanos. Esta revisão destacou que o uso de probióticos pode proteger contra infeção, e estimula a resposta imunitária (5).

Num outro estudo foi demonstrada a importância dos probióticos num possível papel na entrega de vacinas, o que significa aumentar a eficácia da vacinação (6). 

Imagem do artigo probióticos e o sistema imunitário - rapariga a trabalhar em casa

Menos Exercício – Menos Frutas e Vegetais = Mais Stress

A quarentena leva a um aumento dos níveis de stress, atividade física reduzida, e redução do consumo de frutas e vegetais frescos. De acordo com um estudo de 2017, a suplementação com probióticos aumentou a resposta imune sistémica e protegeu contra infeção. Isto sugere que o uso de probióticos pode potencialmente minimizar o risco de danos induzidos por uma situação stressante como a que nos encontramos agora (7).

Estarmos sentados todo o dia não é incomum. Não andamos o suficiente e a nossa atividade física é limitada. A atividade física moderada ou treinos moderados demonstraram fortalecer a função imunitária (8). Além disso, a pesquisa demonstrou que exercício leve é um adjuvante do sistema imunológico que leva a uma melhor atividade de defesa. Além disso, existe uma relação inversa entre o exercício físico e a doença (9).

Ao mesmo tempo, um aumento do consumo de frutas vegetais melhorou a função imunitária (10). No entanto, as regras que o governo colocou de manter-nos em casa, mais o medo de ser exposto ao coronavírus, reduz a probabilidade de consumir alimentos de qualidade e as chances de comprar frutas e vegetais frescos regularmente. 

Os estudos que examinaram a associação entre o consumo de frutas e vegetais em pacientes com asma demonstrou um efeito protetor tanto contra inflamação sistémica quanto das vias respiratórias (11).

O consumo da fibra dietética das papas de aveia pode tratar a obstipação

Probióticos e o Efeito no Tratamento da Obstipação

As pesquisas demonstram que o consumo de fibra pode obviamente aumentar a frequência das fezes em pacientes com obstipação (12). A atividade física e exercício pode também nos ajudar a manter o funcionamento intestinal normal. Em adição, o stress psicológico que a maioria das pessoas sente durante a pandemia já é conhecido, tanto clinicamente como por estudos, como um causador de disfunção intestinal (13). 

Para além disso, a obstipação foi significativamente mais alta em crianças expostas a eventos de vida stressantes (14). Estes fatores provam que estar preso em quarentena pode afetar o funcionamento intestinal e levar à obstipação.

Os probióticos podem ajudar o tempo de trânsito da flora intestinal, a frequência de fezes e consistência, com uma análise de subgrupo indicando efeitos benéficos em particular da bactéria B. lactis (15). Existe também pesquisas que demonstram que os probióticos aumentam o número de movimentos intestinais por semana em 1.3 vezes, amolecem as fezes, e tornam-as mais fáceis de passar (16). Noutro estudo foi demonstrado que 70% dos pacientes que tomou probióticos estavam satisfeitos com o alívios sintomático da frequência de movimento intestinal (17).

Conclusão

Estar preso em casa afeta não só as nossas emoções como também a nossa saúde em geral. A maioria das pessoas tenta fortalecer o seu sistema imunitário com suplementos vitamínicos.

Os probióticos estão cientificamente comprovados como fortalecedores do sistema imunitário e provaram ser uma necessidades nos dias de hoje. Estes microorganismos podem ajudar a ultrapassar qualquer disfunção intestinal devido a inatividade, stress, e redução do consumo de frutas e vegetais. Em adição, existem evidências que os prebióticos podem ajudar a fortalecer o seu sistema imunitário ao aumentarem a população de microorganismos protetores (18).

Dito isto, recomendamos que dê uma vista de olhos ao nosso Suplemento de Probióticos de Prebióticos para Adultos pois este pode ajudar o seu corpo a funcionar adequadamente e também a fortalecer a sua imunidade.

Referências

(1) Kim, D., Yoo, S. and Kim, W., 2016. Gut microbiota in autoimmunity: potential for clinical applications. Archives of Pharmacal Research, 39(11), pp.1565-1576. (2) Yan, F. and Polk, D., 2011. Probiotics and immune health. Current Opinion in Gastroenterology, 27(6), pp.496-501. (3) Berggren, A., Lazou Ahrén, I., Larsson, N. and Önning, G., 2010. Randomised, double-blind and placebo-controlled study using new probiotic lactobacilli for strengthening the body immune defence against viral infections. European Journal of Nutrition, 50(3), pp.203-210. (4) Maldonado Galdeano, C., Cazorla, S., Lemme Dumit, J., Vélez, E. and Perdigón, G., 2019. Beneficial Effects of Probiotic Consumption on the Immune System. Annals of Nutrition and Metabolism, 74(2), pp.115-124. (5) Ganjbakhsh SE, Rezaee P. The effect of probiotics on immune system. J Bacteriol Mycol Open Access. 2017;5(4):319‒320. (6) Marieta Georgieva, Kaloyan Georgiev and Peter Dobromirov (November 18th 2015). Probiotics and Immunity, Immunopathology and Immunomodulation, Krassimir Metodiev, IntechOpen, DOI: 10.5772/61337. Available from: https://www.intechopen.com/books/immunopathology-and-immunomodulation/probiotics-and-immunity (7) Martin Manuel, P., Elena, B., Carolina, M. and Gabriela, P., 2017. Oral probiotics supplementation can stimulate the immune system in a stress process. Journal of Nutrition & Intermediary Metabolism, 8, pp.29-40 (8) Romeo, J., Wärnberg, J., Pozo, T. and Marcos, A., 2010. Physical activity, immunity and infection. Proceedings of the Nutrition Society, 69(3), pp.390-399. (9) Nieman, D. and Wentz, L., 2019. The compelling link between physical activity and the body’s defense system. Journal of Sport and Health Science, 8(3), pp.201-217. (10) Gibson, A., Edgar, J., Neville, C., Gilchrist, S., McKinley, M., Patterson, C., Young, I. and Woodside, J., 2012. Effect of fruit and vegetable consumption on immune function in older people: a randomized controlled trial. The American Journal of Clinical Nutrition, 96(6), pp.1429-1436. (11) Hosseini, B., Berthon, B., Wark, P. and Wood, L., 2017. Effects of Fruit and Vegetable Consumption on Risk of Asthma, Wheezing and Immune Responses: A Systematic Review and Meta-Analysis. Nutrients, 9(4), p.341. (12) Yang, J., 2012. Effect of dietary fiber on constipation: A meta analysis. World Journal of Gastroenterology, 18(48), p.7378. (13) Chang, Y., El-Zaatari, M. and Kao, J., 2014. Does stress induce bowel dysfunction?. Expert Review of Gastroenterology & Hepatology, 8(6), pp.583-585. (14) Devanarayana, N. and Rajindrajith, S., 2009. Association between Constipation and Stressful Life Events in a Cohort of Sri Lankan Children and Adolescents. Journal of Tropical Pediatrics, 56(3), pp.144-148. (15) Dimidi, E., Christodoulides, S., Fragkos, K., Scott, S. and Whelan, K., 2014. The effect of probiotics on functional constipation in adults: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. The American Journal of Clinical Nutrition, 100(4), pp.1075-1084. (16) Publishing, H., 2018. Health Benefits Of Taking Probiotics – Harvard Health. [online] Harvard Health. Available at: https://www.health.harvard.edu/vitamins-and-supplements/health-benefits-of-taking-probiotics [Accessed 27 March 2020]. (17) Kim, S., Choi, S., Park, K., Park, M., Shin, J., Lee, T., Jung, K., Koo, H. and Myung, S., 2015. Change of Fecal Flora and Effectiveness of the Short-term VSL#3 Probiotic Treatment in Patients With Functional Constipation. Journal of Neurogastroenterology and Motility, 21(1), pp.111-120. (18) Davani-Davari, D., Negahdaripour, M., Karimzadeh, I., Seifan, M., Mohkam, M., Masoumi, S., Berenjian, A. and Ghasemi, Y., 2019. Prebiotics: Definition, Types, Sources, Mechanisms, and Clinical Applications. Foods, 8(3), p.92.

Obtenha Desconto de 15% na Sua Primeira Compra

Coloque o seu e-mail e receba o seu cupão de 15% desconto