Vale a Pena Tomar ómega-3 para a Depressão Pós-parto?

Escrito por Cassi O'Brien
Depressão pós-parto

A longa espera pela chegada de um bebé pode ser o momento mais feliz na vida de uma nova mama. É um momento de união e descoberta de cada peculiaridade e características adoráveis que o seu bebé tem. Os primeiros meses enquanto conhece conhecem o seu bebé pode ser a alegria absoluta que as mulheres grávidas tanto anseiam durante nove meses. No entanto, nem sempre é esse o cado. Às vezes, essa alegria é camuflada pelos sentimentos de depressão e ansiedade. Vamos descobrir se vale a pena tomar ómega-3 para a depressão pós-parto.

O que é a depressão pós-parto?

A depressão pós-parto é um distúrbio comum entre novas mamas. Afetando uma em cada sete mulheres. O corpo passa por imensas mudanças durante a gravidez.

Uma dessas mudanças é o aumento de produção hormonal, especialmente a produção de estrogénio e progesterona. Imediamente após parir, esses níveis hormonais descem a pico. Esse fato sozinho pode causar uma irregularidade de humor e sintomas de depressão.

Combine esses fatores com a diminuição de horas de sono, junto com os outros stresses que acompanham o ajuste para cuidar de um bebé, e as chances de cair em depressão aumentam muito. A condição geralmente se desenvolve seis meses após o parto e apresenta todos os sintomas padrão da depressão clínica.

O que dizem as pesquisas sobre o ómega-3 e a depressão pós-parto?

O ômega-3 tem um histórico bem documentado do seu bom funcionamento ao lidar com vários tipos de depressão. No entanto, as evidências científicas não são totalmente favoráveis à capacidade do ómega-3 de aliviar os sintomas da depressão pós-parto, especificamente. Houve apenas alguns estudos realizados que examinaram o ómega-3 como um tratamento para a depressão pós-parto. Alguns desses estudos mostram que o ómega-3 não tem nenhum efeito sobre os sintomas, enquanto um casal mostrou uma ligeira melhora.

Um dos estudos realizados durante um período de oito semanas envolveu dois grupos de mulheres com depressão pós-parto: um grupo de ómega-3 e um grupo de placebo. Aqueles no grupo de ómega-3 receberam 1,9 gramas de suplementação de ómega-3 por dia. Ao final do estudo, houve uma melhora no grupo ómega-3 que não foi observada no grupo placebo. Ainda assim, os resultados deste estudo não foram excessivamente a favor do ómega-3. Embora tenha havido uma melhora, não foi estatisticamente significativa e houve apenas uma pequena diferença entre o grupo placebo e o grupo ómega-3.

O ómega-3 pode ajudar como uma ajuda adicional ao tratamento padrão para depressão pós-parto, mas não há muitas evidências que suportem a hipótese do ómega-3 como um tratamento por conta própria. Quando se trata de suplementação de ómega-3 e prevenção da depressão pós-parto, a história é bem diferente. Existem muitas evidências de que a deficiência de ómega-3 pode ser um fator que contribui para o desenvolvimento da depressão pós-parto.

Será que o ómega-3 ajuda na depressão pós-parto

A deficiência de Ómega-3 durante a gravidez

Um feto necessita de grandes quantidades de ómega-3 porque esses ácidos gordos são essenciais para o desenvolvimento fetal. Dado esse fato, o feto recebe ómega-3 da mãe e os seus níveis de ómega-3 esgotam-se lentamente ao longo da gravidez. Dessa forma, torna-se especialmente significativo se a mãe já apresentava níveis mais baixos de ómega-3 por não ter uma dieta que lhe fornecesse uma boa quantidade de ómega-3 ou por não tomar suplementos de ómega-3. As mulheres grávidas, especialmente no último trimestre, e as mulheres que acabaram de dar à luz são mais propensas a ter uma deficiência de ómega-3. Por outras palavras, a deficiência pode ser cumulativa, quanto mais filhos a mulher tem, mais deficiente em ómega 3 ela pode ficar (supondo que ela não suplemente).

Esta deficiência de ácidos gordos ómega-3 parece desempenhar um papel no desenvolvimento da depressão pós-parto. Observou-se que novas mães com níveis mais baixos de ómega-3 têm um risco maior de sofrer do distúrbio. Um estudo descobriu que mulheres com baixos níveis de ómega-3 no leite materno e aquelas com baixa ingestão de frutos do mar apresentaram taxas mais altas de depressão pós-parto.

Outro estudo concluiu que níveis mais baixos de ómega-3 durante a gravidez tornavam as mulheres seis vezes mais propensas a desenvolver o distúrbio. Existem numerosos estudos que examinam a relação entre a deficiência de ómega-3 e a depressão pós-parto e a grande maioria deles termina com a mesma conclusão.

O conhecimento científico atual indica que o óleo de peixe ómega-3 não é eficaz como tratamento para a depressão pós-parto, mas pode ajudar a melhorar os sintomas quando adicionado ao tratamento padrão. É improvável que cure completamente esse distúrbio, mas pode ajudar e, como é totalmente seguro, não há nada a perder ao incluí-lo no período pós-parto.

Deve tomar ómega-3 para a depressão pós-parto?

Mesmo um pouco de ajuda pode fazer a diferença, especialmente quando se lida com um distúrbio que pode ser um pesadelo. O ómega-3, no entanto, é muito eficaz na prevenção do desenvolvimento da depressão pós-parto. Isso sugere que as mulheres grávidas devem fazer questão de ter uma ingestão decente de ácidos gordos ómega-3 na sua dieta ou tomar um suplemento ómega-3 de alta qualidade durante a gravidez para evitar sintomas depressivos durante o que deveria ser um dos momentos mais felizes de suas vidas.

Referências

Freeman, M., Hibbeln, J., Wisner, K., Davis, J., Mischoulon, D., Peet, M., . . . Stoll, A. (2006). Omega-3 Fatty Acids: Evidence Basis for Treatment and Future Research in Psychiatry. Psychiatry The Journal of Clinical Psychiatry, 67(12), 1954-1967.

Hibbeln, J. (2002). Seafood consumption, the DHA content of mothers’ milk and prevalence rates of postpartum depression: A cross-national, ecological analysis. Journal of Affective Disorders, 69(1-3), 15-29. doi:10.1016/S0165-0327(01)00374-3

Markhus, M., Skotheim, S., Graff, I., Frøyland, L., Braarud, H., Stormark, K., & Malde, M. (2013). Low Omega-3 Index in Pregnancy Is a Possible Biological Risk Factor for Postpartum Depression. PLoS ONE. doi:10.1371/journal.pone.0067617

Postpartum depression. (2015, August 11). Retrieved November 4, 2015.

Vriese, S., Christophe, A., & Maes, M. (2003). Lowered serum n-3 polyunsaturated fatty acid (PUFA) levels predict the occurrence of postpartum depression: Further evidence that lowered n-PUFAs are related to major depression. Life Sciences, 73(25), 3181-3187. doi:10.1016/j.lfs.2003.02.001

Obtenha Desconto de 15% na Sua Primeira Compra

Coloque o seu e-mail e receba o seu cupão de 15% desconto